Sobre

João Aníbal Maia Marques Ramalheira

João Aníbal Ramalheira nasceu a 7 de março de 1953, na Freguesia de S. Salvador, Ílhavo. Embora o seu sonho de menino fosse ser professor do Ensino Primário, tal como o seu pai, quis o destino que João Ramalheira seguisse outro rumo, ingressando na Escola de Regentes Agrícolas de Santarém.

Nos finais dos anos 60 formou com alguns amigos o conjunto musical “Jota 4”, e, em conjunto com José Paulo Vieira da Silva, João José Figueiredo Oliveira e José Peixoto, animavam as tardes de domingo no Jardim Henriqueta Maia, com o programa “Orbitral 2S”, transmitido da Cabine de Som da Publicidade Vouga – Rádio Faneca (por cima dos antigos serviços do CTT), numa altura em que estávamos ainda longe das Rádios Locais.

Terminado o Curso de Engenheiro Técnico Agrário e de regresso a casa, em 1973, João Ramalheira, organizou, em parceria com outros amigos, os primeiros Festivais da Canção do Illiabum Clube e continuou a tocar, mas como baterista, no conjunto “Jakarandá”. Em 1978, iniciou o seu percurso profissional no Ensino Profissional Agrícola, tendo sido colocado na Escola Secundária de Vouzela, onde lecionou durante dois anos. Seguiram-se as Cidades de Portalegre, Setúbal, Évora, Baixa da Banheira, Lisboa e, por fim, Vagos.

Eu-em-7_3_1956-com-3-anos

Image 13 of 13

Estreitamente ligado à história da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Vagos (EPADRV), João Ramalheira foi aí docente e fez parte dos quadros da Direção, acumulando os cargos de dirigente Associativo na Banda dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo – Música Nova e na Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo, apostando na dinamização da sua Fanfarra (que durante muitos anos esteve inativa).

Criou, em 2003, o website www.ramalheira.com para divulgar informação sobre o mundo cultural ilhavense, sobretudo da primeira metade do século XX, desde teatro, revista, bem como outros acontecimentos de especial importância histórica.

O bichinho da rádio, que vem desde a sua infância, quando aproveitava as bolas de pingue-pongue para simular os seus microfones e brincava aos discos pedidos, nunca mais o largou. Durante treze anos dinamizou o programa “Flor de Liz” da EPADRV e, aquando do centenário dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo, realizou, com Manuel Teles e João Madalena, uma série de 100 programas radiofónicos denominada “Recordar é Viver”, ambos na Rádio Terra Nova. Em 2012, João Ramalheira foi convidado para participar na Transmissão em direto “Ílhavo a Transmitir Alegria”, no âmbito do Festival Rádio Faneca, e mantém, desde 2010, o programa “Musicando”, igualmente na Rádio Terra Nova (todos os sábados entre as 10:00 e as 11:00 da manhã).

Em Março de 2021, começa um podcast online com a filha Sara Marques intitulado “Ílhavo Antigo” onde relembram histórias sobre a cidade, os seus costumes e os que por cá viveram.

João Aníbal Maia Marques Ramalheira